Notícias

Barragem de Francisco Sá não alcançou 20% de capacidade

Os sérios problemas de escassez de água em Francisco Sá começaram a diminuir com as chuvas dos últimos dias, renovando a esperança de que em 2016 a Barragem do Rio São Domingos, que abastece a cidade, chegue a um nível satisfatório e a população possa voltar a desfrutar de uma água de melhor qualidade em termos físico-químicos e palatais. Com a secagem da barragem, a população passou a ser abastecida através de cinco poços artesianos, de água calcária e salobra.
 
Porém, mesmo com as expressivas chuvas, segundo informações da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), até o dia 25/01, o volume da barragem estava em 18,55% de sua capacidade. De acordo com a Assessoria do órgão, a capacidade máxima do reservatório é de 4.500.000 metros cúbicos e atualmente estima-se o volume em 883.000 metros cúbicos (cada metro cúbico equivale a 1.000 litros).
 
O diretor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), Ronaldo Ramon Fernandes de Brito, explica que ainda não foi iniciado o bombeamento dessa água porque ela se encontra muito barrenta e é necessário aguardar alguns dias para que ocorra o processo natural de sedimentação.
 
As chuvas permitiram a captação em outra barragem, menor e mais antiga, que já fornece certa quantidade de água doce, mas a maior parte do abastecimento continua com quatro poços artesianos. De acordo com Ronaldo, o racionamento, com água sendo liberada em dias alternados, continua. “A situação ainda é preocupante, é preciso pensar em água como uma poupança, economizar para ter nos momentos de escassez”, afirma.
 
Francisco Sá tem um histórico de uso sem moderação de água, por conta principalmente das tarifas irrisórias, uma das mais baixas do país, chegando a ser até quatro vezes mais baratas que as praticadas pela Copasa. Em fevereiro do ano passado os vereadores aprovaram Projeto de Lei autorizando o SAAE a multar consumidores que desperdicem água. A legislação prevê sanções a práticas como lavar calçadas, molhar ruas, lavar veículos ou deixar canos, torneiras, etc. abertos e esvaindo água.
 
 
Dicas
 
Mesmo com chuvas, racionamento continua e é preciso economizar, para não faltar no período de estiagem.
 
Seguem algumas dicas:
 
Banho: Num banho de 15 minutos, crie o hábito de fechar o chuveiro ao se ensaboar e reduza seu banho para cinco minutos.
 
Higiene bucal: Se você escovar os dentes com a torneira um pouco aberta por cinco minutos, gasta 12 litros d’água. Feche a torneira e utilize um copo com água para fazer o bochecho.
 
Louça: Primeiro limpe a louça com a esponja, depois ensaboe e só depois enxágüe. A torneira aberta por 15 minutos dá vazão para 240 litros de água, se você apenas enxaguar a louça no final, você evita o desperdício.
 
Carro: Utilizando a mangueira por 20 minutos para lavar o carro ou a calçada, você desperdiça cerca de 144 litros de água. Com um pano e quatro baldes de 10 litros de água (dois para ensaboar e dois para enxaguar), você lava o carro perfeitamente.
 
Calçada: Prefira a velha e boa vassoura. Caso sinta necessidade, um balde com 10 litros de água resolve seu problema.
 
Vazamentos: Um vazamento pode ser o maior vilão da sua conta de água e do desperdício considerável: uma gota d’água pingando por segundo equivale a um desperdício de 46 litros por dia, que ao final do mês somará 1.380 litros de água que foram literalmente pelo ralo.

© 2022 Francisco Sá . TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.